ACESSE A REDE XAMÂNICA: Portal Xamanismo | Xamanismo Ancestral | Xamanismo Quântico | Xamanismo Holográfico | Ordem de Shiva | Aldeia de Shiva - Net | R'XA | Akaiê Sramana
 
 
HOME | ALDEIA | AGENDA | MEDICINAS | TRATAMENTOS | CURSOS | RITUAIS | EVENTOS | GALERIA | DEPOIMENTOS | LOJA | LOCALIZAÇÃO | CONTATO
 
Medicinas
Jurema Sagrada
 
  Ayahuaska
  Jurema
  Peyote
  San Pedro
  Iboga
  Tabaco
  Sálvia Divinorum

Cabocla Jurema Cabocla Jurema

Casca da Jurema Sagrada Casca da Jurema Sagrada

Árvore da Jurema Sagrada Árvore da Jurema Sagrada

Folha da Jurema Sagrada Folha da Jurema Sagrada

Adquira o livro do Mestre Xamã Akaiê Sramana:

Livro Xamanismo Ancestral - O legado da Índia antiga
  Xamanismo Ancestral
O legado da Índia antiga

Clique aqui!

Nome: Jurema
Nome científico: Mimosa tenuiflora
Classificação Xamânica: Planta Mestra Professora
Origem: Floresta da Mata-Atlântica do Nordeste do Brasil
Substâncias ativas: DMT (Dimetiltriptamina) e outros alcalóides
Nomes mais conhecidos: Yu'rema na língua tupi, Jurema, Jurema Sagrada e Vinho da Jurema


Jurema é o nome da Planta Mestra Professora e nome de uma Bebida Sagrada de origem indígena, feita das raízes de sua árvore. Seu feitio é realizado através da maceração da casca e da raíz, combinados com água, vinho ou cachaça, dentro de um contexto ritual indígena ou afro-brasileiro, onde rezas, chamados a entidades, cânticos e giras são realizados.

O uso ritual da Jurema se desenvolveu demasiadamente da região nordeste do Brasil, o que influenciou o surgimento de diversas tradições espirituais entorno de seu uso sacramental, que vão desde a pajelança e xamanismo até as religiões africanas e catolicismo popular.

Desde os primeiros tempos da colonização, vários cronistas e observadores falam sobre o desenvolvimento de rituais ligados à população indígena. Por meio de cantos, danças, infusões, cachimbos e dizeres sagrados, os índios se colocavam em contato com seus antepassados e com outros seres do plano espiritual. Logicamente, aos olhos dos colonizadores e dos jesuítas, tais práticas eram um grande empecilho à divulgação da fé cristã em terras brasileiras.

Nesse conjunto de manifestações, a Jurema Sagrada, Jurema Nordestina ou Catimbó, aparece como uma religião indígena, mas também influenciada por elementos dos cultos cristãos e afro-brasileiros. Antes de tudo, a jurema é uma árvore da caatinga e do agreste que tem sua casca utilizada para a fabricação de uma bebida mágica que concede força, sabedoria e contato com seres do mundo espiritual. É dessa forma que o uso da árvore desencadeia a formulação de uma experiência religiosa com mesmo nome.

Atualmente a Jurema Sagrada se expandiu e ganhou outros territórios. Atualmente é usada também dentro de círculos esotéricos e cristãos, assim como também pela psicoterapia e fitoterapia.

A Jurema Sagrada é remanescente da tradição religiosa dos índios que habitavam o litoral da Paraíba, Rio Grande do Norte e do Sertão de Penambuco e dos seus pajés, grandes conhecedores dos mistérios da floresta e do além, das plantas e dos animais. Depois da chegada dos africanos no Brasil, quando estes fugiam dos engenhos onde estavam escravizados, encontravam abrigo nas aldeias indígenas, e através desse contato, os africanos trocavam o que tinham de conhecimento religioso em comum com os índios. Por isso até hoje, os grandes mestres juremeiros conhecidos, são sempre mestiços com sangue índio e negro. Os africanos contribuíram com o seu conhecimento sobre o culto dos mortos egun e das divindades da natureza, os orixás voduns e inkices. Os índios, estes contribuíram com o conhecimento de invocações dos espíritos de antigos pajés e dos trabalhos realizados com os encantados das matas e dos rios. Daí a jurema se compor de duas grandes linhas de trabalho: a linha dos mestres de jurema e a linha dos encantados.

Os pajés do Nordeste do Brasil, há muito tempo, faziam uma bebida à base da Jurema Branca (Pithecolobium diversifolium) e outra à base da Jurema Negra (Mimosa nigra Hub.). O Vinho extraído da Jurema Branca promovia sonhos afrodisíacos e premonitórios, porém, o Vinho da Jurema Negra, era Bebida Sagrada, consagrada em rituais especiais, como meio de acessar o Mundo dos Espíritos Encantados da Floresta e ter contato com os espíritos desencarnados, Mestres Astralizados, Caboclos e Caboclas, índios, guerreiros, curandeiros, pajés e espíritos xamãs. Nos rituais os índios sonhavam e quando retornavam dos sonhos, eram as mulheres que interpretavam o significado dos sonhos e previam o passado, presente e futuro.

Ainda hoje os rituais com a ingestão da Jurema Sagrada é praticado por diversas tradições indígenas remanescentes no Nordeste do Brasil, tais como: kariri-Xocó, Tuxá, Pankararé, Tupinambá, Atikun e Fulniô. Porém, foi no meio afro-brasileiro que a bebida ganhou mais destaque, através da junção da sabedoria e cultura das raças indígena e negra do Nordeste do Brasil, nasceu o culto do Catimbó, onde os feiticeiros, babalorixás, pais-de-santo e Mestres do Catimbó fazem uso constante, cada um criando uma tradição independente em torno de sua consagração e uso ritual.

O culto da Jurema está para a Paraíba, assim como o de Iroko está para a Bahia. Esta arvore tipicamente Nordestina, era venerada pelos índios potiguares e tabajaras, da Paraíba, muitos séculos antes da descoberta do Brasil. Em Pernambuco, existe um município cujo nome é Jurema devido a grande quantidade destas árvores que ali se encontra. A Jurema, depois de crescida, é uma frondosa árvore que vive mais de 200 anos. Todas as partes dessa árvore são aproveitadas: a raiz, a casca, as folhas e as sementes, utilizadas em banhos de limpeza, infusões, ungüentos, rapés, bebidas e para outros fins ritualísticos. Os devotos iniciados nos rituais do culto são chamados de “Juremeiros”. Foi na cidade de Alhandra, município a poucos quilômetros de João Pessoa, que esse culto, na forma do Catimbó alcançou fama. A Jurema já era cultuada na antiguidade por pelo menos dois grandes grupos indígenas, o dos tupis e o dos kariris, também chamados de tapuias. Os tupis se dividiam em tabajaras e potiguares, que eram inimigos entre si. Na época da fundação da Paraíba, os tabajaras formavam um grupo de aproximadamente cinco mil índios. Eles ocupavam o litoral e fundaram as aldeias Alhandra e a de Taquara.

Foi no contexto religioso e curativo que o uso da Jurema Sagrada mais se desenvolveu, saindo dos índios penetrou os costumes da Umbanda Sagrada e do Catimbó, a mais recente tradição juremeira do Brasil.

Apesar de bastante conhecida no Nordeste do Brasil, ainda não há um consenso sobre qual a classificação exata da planta popularmente conhecida por Jurema. A Jurema (Acacia Jurema mart.) é uma das muitas espécies das quais a Acácia é o gênero. Várias espécies de Acácia nativas do nordeste brasileiro recebem o nome popular de Jurema.

As Acácias sempre foram consideradas plantas sagradas por diferentes povos e culturas de todo o mundo; Os Egípcios e Hebreus veneravam a "Acacia nilotica" (Sant, Shittim, Senneh), os Hindus a "Acacia suma" (Sami), os Árabes a "Acacia arabica" (Al-uzzah), os Incas e outros povos indígenas da América do sul veneravam a "Acacia cebil"(vilca, Huillca, Cebil), os nativos do Orinoco a "Acacia niopo" (Yopo) e os índios do nordeste brasileiro tinham na "Acacia jurema" (Jurema, Jerema, Calumbi) a sua árvore sagrada, a sua Acacia, ao redor da qual desenvolveu-se essa tradição hoje conhecida como "Jurema Sagrada".

USO MEDICINAL

Além do Vinho da Jurema, serve como chá desintoxicante. Seca, é utilizada também na defumação, que pode ser misturada ao tabaco, e soprada pelo cachimbo para obstruir larvas, miasmas astrais e formas pensamento de pessoas e lugares.

USO RITUAL

A Jurema Sagrada é utilizada em dois contextos rituais, indígena e afro-brasileiro, sempre com o propósito de cura e expansão da consciência. No ritual indígena a consagração da Jurema Sagrada faz uso das características indígenas e ancestrais de cura, como a Pajelança, o Ouricuri, os Praiás e os Torés, como formas de chamar os encantados da floresta, ancestrais e espíritos pajés curandeiros para auxiliar na cura. No ritual afro-brasileiro a consagração da Jurema Sagrada se dá em conjunto com a fé e as características magistícas e religiosas do Cadomblé, Umbanda e Catimbó, que vão desde a incorporação de entidades a giras e bailados.

EFEITO

Para compreender o efeito da Jurema Sagrada é necessário situar-se no contexto de expectativas e formas de seu uso ritual, ou seja, os mitos e crenças a seu respeito potencializam o efeito, dando-nos uma sensação de êxtase divino e religioso, miragem ou muitas vezes, sensação de estar recebendo informações diretamente de Deus ou de Espíritos encantados e superiores.

As entidades espirituais identificadas como pertencentes ao Universo da "Jurema" são encantados, caboclos, índios e mestres. Uma caracterização de entidades como "Mestre Zé Pilintra" e outros mestres, caboclos e índios como "Pena Branca", "Cobra Coral", "Arranca Toco" e da própria "Cabocla Jurema" são essenciais para compreender o direcionamento desse efeito.




Retornar  retornar topo  Topo da página
 
 
© Copyright 2014. Akaiê Sramana. Todos os direitos reservados. Desenvolvido pela Aldeia de Shiva - Net.