ACESSE A REDE XAMÂNICA: Portal Xamanismo | Xamanismo Ancestral | Xamanismo Quântico | Xamanismo Holográfico | Ordem de Shiva | Aldeia de Shiva - Net | R'XA | Akaiê Sramana
 
 
HOME | ALDEIA | AGENDA | MEDICINAS | TRATAMENTOS | CURSOS | RITUAIS | EVENTOS | GALERIA | DEPOIMENTOS | LOJA | LOCALIZAÇÃO | CONTATO
 
Medicinas
San Pedro Sagrado
 
  Ayahuaska
  Jurema
  Peyote
  San Pedro
  Iboga
  Tabaco
  Sálvia Divinorum

Rodelas Estreladas de San Pedro Estrelas de San Pedro

Cacto San Pedro Cacto San Pedro

Flor do Cacto San Pedro Flor do Cacto San Pedro

Adquira o livro do Mestre Xamã Akaiê Sramana:

Livro Xamanismo Ancestral - O legado da Índia antiga
  Xamanismo Ancestral
O legado da Índia antiga

Clique aqui!

Nome: San Pedro
Nome científico: Trichocereus pachanoi
Classificação Xamânica: Planta Mestra Professora
Origem: Bolívia, Perú, Equador e em algumas regiões da Cordilheira dos Andes
Substâncias ativas: Mescalina (Trimethoxy-B-Phenethylamine), Feniletilamina e outros alcalóides
Nomes mais conhecidos: San Pedro, San Pedrito, Achuma, Wachuma, Huachuma, Aguacolla e Gigantón


O cacto San Pedro contém o alcalóide Mescalina e outros derivados da Feniletilamina com propriedades entheógenas. Existem 7 diferentes espécies do cacto San Pedro, diferenciadas pelo número de riscas longitudinais (em formato estrelado), sendo os mais importantes os cactos de 4 e 7 estrelas.

Este cacto foi usado ao longo da história por diversas culturas e civilizações precolombianas como Tiwanaku, Huari, Ayamára e Inka, que se estabeleceram por toda Cordilheira dos Andes, mas precisamente na Bolívia e no Perú

Encontramos dados arqueológicos do uso do San Pedro com propósitos mágico-religiosos nas culturas precolombianas Cupisnique (1500 a. C.), Chavín (1000 a. C.), Moche (100-750 d.C.) e Lambayeque (750-1350 d. C.).

Os Mestres Curandeiros atuais empregam o San Pedro em mesas rituais de cura com a finalidade de tratar o feitiço, doenças e o azar. A mesa tem um sofisticado ritual: "levantar" ou respirar tabaco com "água de flores" (à base de álcool cítrico), ingerir San Pedro, adivinhar as doenças, limpar o mal e "florescer" o doente. A mesa ritual é executada de madrugada, às terças e sextas-feiras, dias sagrados para a religiosidade andina. Por vezes substitui-se o San Pedro por uma infusão de plantas e sementes com componentes entheógenos, como a Ayahuaska, Mamacoca, Mamawillka e as Mishas.

A tradição multimilenar do uso curativo e entheógeno do cacto San Pedro manteve uma continuidade cultural com o curandeirismo andino contemporâneo.

O cacto San Pedro possui um simbolismo especial no curandeirismo andino, já que o cacto sempre está em harmonia com os poderes da natureza, das montanhas, rios e cachoeiras, dos animais, dos seres e devas, dos homens e dos seres sobrenaturais.

O cacto está relacionado diretamente às Divindades Andinas principais, ao Deus Wiracocha, Pachakamaq, Pachamama, ao Cóndor, Puma e a Serpente.

Com a chegada dos espanhóis na América do Sul o consumo do San Pedro, que estava bastante difundido pela cultura andina, foi logo alvo da abordagem cristã. Que ofendiam e criticavam seu consumo.

O nome San Pedro veio após a colonização espanhola, é um nome mais recente e tem a ver com a utilização cristã desta planta, que se desenvolveu nos últimos 300 anos.

As práticas mais recentes procuram legitimar seu uso através do recurso de aproximar suas práticas do Cristianismo, daí o nome San Pedro, assim como aconteceu também com os ritos peioteiros na América do Norte, como é o caso da Native American Church (Igreja Nativa Americana). Além do Cristianismo, novas práticas foram re-trabalhadas a partir de conceitos mágicos esotéricos do Mediterrâneo e do Oriente, os quais, por sua vez, incorporaram elementos árabes, clássicos, pagãos, egípcios, hindús, cabalísticos, etc.

É possível que nos usos tradicionais do Wachuma (nome original do San Pedro) houvesse usos de outras plantas em conjunto, como folhas de coca, tabaco e rapé.

Comparado ao consumo da Ayahuaska, do Rapé Indígena, do Peyote ou outras Plantas de Poder e Mestras Professoras, o número de pessoas que participam dos rituais com o cacto San Pedro é muito maior nos países andinos. O cacto é usado literalmente por dezenas de milhares de pessoas, enquanto os demais cultos com plantas entheógenas permaneceram ligados a contextos indígenas relativamente restritos em termos numéricos. Por isso, é curioso que a literatura sobre o uso do cacto San Pedro seja tão limitada em comparação com a da Ayahuaska.

Seu nome tradicional é Achuma ou Wachuma, e foi chamado de San Pedro com claras influencias cristãs, um modo comum ao longo dos séculos de fugir da repressão. De maneira similar aconteceu em relação ao Peyote e a seus cultos, hoje com enorme sincretismo religioso.

O cacto San Pedro compreende várias espécies de um gênero que antigamente era chamado Trichocereus e que agora foi reunido dentro do gênero Echinopsis.

Dentro do gênero Echinopsis existe uma variedade que ao invés de Mescalina contêm DMT (Dimetiltriptamina). A espécie é conhecida como Echinopsis terschekii.

USO MEDICINAL

Além do uso ritual, o San Pedro auxilia no tratamento do vírus HIV, câncer do tipo terminal, adicção como alcoolismo, tabagismo e uso de drogas tais como maconha, cocaína e heroína, enfermidades mentais como epilepsia e esquizofrenia, entre outras enfermidades.

USO RITUAL

Nos rituais xamânicos cada pessoa consome as rodelas estreladas do cacto, mastigando-as e comendo-as, ou se bebe um preparo fervido à base de água. Quanto mais velho for o cacto mais Mescalina ele possui.

EFEITO

Da mesma forma que o Peyote, o San Pedro também contém Mescalina. Pode demorar até 1 hora para a Mescalina começar a fazer efeito, porém, logo depois começa a trazer sua elevação, a cor verde toma conta das imagens que se formam em nossa Tela Mental. Trazendo uma sensação de suavidade e integração com a Mãe-Terra e o Grande Espírito. Neste efeito muitos começam a se desdobrar para outras dimensões, interiores e exteriores, muitos adentram as regiões internas da Mãe-Terra, outros acessam partes do Cosmos e passam a se comunicar com o Espírito do cacto, com Devas, Divindades e Mestres Astralizados. Algumas pessoas sentem alterações de temperatura, ora sentem frio, ora sentem calor. Alguns passam por experiências e contatos extra-terrestres. Para os iniciantes sempre algumas náuseas, enjôos e vômitos de limpeza se dão nos primeiros rituais. E o efeito pode durar de 6 a 12 horas.




Retornar  retornar topo  Topo da página
 
 
© Copyright 2014. Akaiê Sramana. Todos os direitos reservados. Desenvolvido pela Aldeia de Shiva - Net.